“É tudo uma questão de rotinas”, ouve-se dizer. Há quem adiante inclusive que “a mudança é desconfortável”. Muito se tem falado sobre a mudança de hora, mas a verdade é que este é cada vez menos um tema consensual entre a população. No próximo fim-de-semana, na madrugada de dia 26 para dia 27 de outubro, pelas 2h da manhã, o nosso relógio vai voltar a mudar e há quem defenda que estas oscilações duas vezes por ano tenham um impacto significativo na saúde e também na poupança.

No verão, os dias parecem-nos mais longos e temos tendência a saber aproveitá-los melhor, com longas corridas à beira-rio ou com o desfrutar de um sunset com os colegas a seguir ao trabalho. Com a chegada do inverno, sabemos que a mudança da hora é inevitável e muitos de nós preferiam acordar com a escuridão da madrugada só para poder sair do trabalho ainda com alguma claridade. Muitos são os Estados-membros da União Europeia, eurodeputados e cidadãos europeus que pedem mesmo o abandono definitivo da mudança da hora, mas o que é certo é que este é um tema que tem a ver com as especificidades e geografia de cada país.

No entanto – e apesar deste ter sido um tópico bastante debatido em Portugal ao longo do último ano -, existem várias razões para esta divisão legal de horários, à qual estamos obrigatoriamente sujeitos desde 2001. Entre elas, estão alguns benefícios ligados à saúde, mas também à economia, não só a que move o nosso país, como também à que diz respeito às poupanças do lar. A curiosidade é que os benefícios deste horário de inverno estão maioritariamente ligados à forma como encaramos as nossas manhãs.

Convidamo-lo a conhecer alguns deles:

1. Maximizar a luz solar

Uma das principais razões que está na base do horário de verão versus horário de inverno é o facto de sermos dependentes do sol. Para o povo português, natural da terra do sol e do mar, isto assume-se como algo verdadeiramente significativo, pois bem sabemos que qualquer raio de luz é sinónimo de alegria e vivacidade.

Como tal, o facto de atrasarmos a hora no próximo dia 27 vai permitir-nos acordar já com a luz solar a entrar pelas nossas janelas e desfrutar mais das nossas manhãs, que claramente passam a assemelhar-se mais ao conceito de dia e deixam de ser tão antagonicamente “noturnas”. Se optássemos por manter o horário de verão, há quem acredite que o nosso inverno fosse mais difícil de suportar, pela simples razão de ficarmos desfasados do amanhecer. E este desfasamento tem uma correlação certeira com a nossa saúde, mais que não seja com a nossa disposição – ou mood – para enfrentar o dia.

 

2. Poupar na fatura energética

Todos nós já temos certamente as nossas poupanças e já elaborámos a nossa check-list com tudo aquilo que é prioritário. No verão ou no inverno, a poupança é um must-have que já está enraizada na nossa rotina e, por isso, não é uma novidade.

No entanto, acordar com a luz solar vai permitir-nos ter menos zeros à direita na fatura da eletricidade, pelo simples hábito de não termos de ligar a luz de manhã para irmos até à casa de banho ou para nos vestirmos. Já não está escuro, já não precisamos daquele gasto adicional para nos guiar. Embora subtil, esta é uma mudança que pode ser algo significativa.

De acordo com o jornal espanhol El Confidencial, estima-se que o potencial de poupança em iluminação que se consegue com a mudança de hora ascende a 5% do consumo elétrico, o que equivaleria a uma poupança anual de 300 milhões de euros, sobretudo para a indústria e os serviços. No mercado doméstico a poupança poderia chegar aos 90 milhões de euros, ou seja, menos seis euros na fatura em cada família.

 

3. Aumentar a produtividade

Há quem acredite que a produtividade está relacionada com a luminosidade, e é por isso que se torna tão importante sair de casa já com luz.

Com o sol a nascer perto das 9h da manhã, tal como temos vindo a assistir ao longo do mês de outubro, há quem se dirija para o trabalho ou para a escola dos filhos ainda de noite. Isto poderá influenciar muito o ritmo e disposição dos indivíduos para estarem ativos nas empresas, o que terá certamente impacto nos seus níveis de produtividade.

 

4. Diminuir o trânsito e os acidentes rodoviários

Sabemos que chuva é sinónimo de trânsito e não precisamos de mais nenhuma condicionante ao longo da nossa condução. Sair de casa e conduzir com a escuridão matinal vai, de forma inata, levar-nos a redobrar a nossa segurança, conduzindo com maior cautela.

Porém, menos iluminação na estrada também aumenta as probabilidades de existir mais cenários de engarrafamento e origina muitos dos acidentes rodoviários. Por isso, a mudança da hora só nos vai permitir chegar ao trabalho a horas e sãos e salvos – e, certamente, mais “iluminados”.