Montar uma horta em casa pode ser uma opção saudável e económica que lhe vai permitir poupar nas idas ao supermercado e também permitir que coma alimentos mais naturais, com menos químicos e pesticidas e mais amigos da sua saúde. Muitas pessoas gostavam de aderir a esta que é, cada vez mais, uma tendência, mas não sabem como dar o primeiro passo. Mas nada temam: a Comunidade Schindler está aqui para si e dá-lhe abaixo os passos básicos para o ajudar a ter a horta dos seus sonhos, que também pode explorar neste artigo do site Sapo Lifestyle.

 

1# Escolha um lugar ao sol

É certo e sabido que os legumes e frutas precisam de sol para se desenvolverem, por isso é importante identificar na sua casa ou apartamento um espaço com boa exposição solar. Normalmente, a escolha recai sobre as varandas, terraços ou perto de janelas, para que os canteiros possam captar o máximo de luz durante o dia.

Se o espaço escolhido ficar virado para sul, como muitas vezes sucede, é preciso ter atenção às regas, que precisam de acontecer com mais frequência no verão, época de temperaturas mais elevadas que secam os solos. Com sol, pode plantar quase tudo na sua horta, principalmente tomates, pimentos, alfaces, abóboras, piripiri, cebolinho, alho-francês, cenouras, favas, ervilhas, curgetes, cebolas ou ainda alhos, entre outras.

 

2# Decida se vai plantar na horizontal ou na vertical

Se tiver bastante espaço disponível pode plantar em vários vasos ou em canteiros mais compridos. No entanto, se tiver pouco espaço de manobra, talvez plantar em escadas ou prateleiras seja uma boa ideia, criando assim uma horta vertical, que estão cada vez mais na moda. Assim, até podem funcionar como elementos decorativos da sua casa!

 

3# Divida o espaço em parcelas

Antes de começar a colocar a terra, pense em dividir a sua horta em secções, quer a horizontal, quer a vertical, para poder ir fazendo a rotação das culturas (legumes) sempre que necessário.

 

4# Prepare o solo / substrato

Certos legumes precisam de muita matéria orgânica no solo, que lhes deve ser adicionada pelo menos uma ou duas vezes por ano, de preferência um composto produzido por nós. Uma boa mistura pode ser constituída por um terço de matéria orgânica/húmus de minhoca mais um terço de areia e um terço de composto de plantação da sua compostagem ou comprado.

Já existem no mercado muito bons compostos biológicos que já vêm fertilizados, poupam trabalho e dão maior garantia de sucesso. O melhor pH do solo para cultivar a maior parte das hortícolas é o que ficar mais próximo do neutro. Se o solo da sua horta é pobre e duro, cave-o e adicione matéria orgânica (húmus ou estrume) e alguns sacos de substrato hortícola (pelo menos nos 10-20 centímetros superficiais).

 

5# Defina onde vai fazer a compostagem

Por mais pequena que seja a horta, é sempre importante aproveitar as folhas mortas e os ramos que caiam das suas plantas, além dos restos dos legumes e das cascas, entre outros, para fazer um composto, passando assim a ter um fim mais ecológico. O composto será guardado num compostor, que pode fazer por si mesmo ou comprar. Se construir, tenha em atenção que este deve no mínimo ter uma capacidade de 0,5 metros cúbicos, 500 litros, para conseguir armazenar o composto de todo o ano.

 

6# Prepare o sistema de rega

Se conseguir ter uma horta com mais do que seis ou sete metros quadrados, o melhor a fazer é montar um sistema de rega gota a gota. No verão, os legumes e hortículas têm de ser regados todos os dias e, nos picos de calor, às vezes até é aconselhado que o faça pelo menos duas vezes, o que justifica o investimento. Se não tiver rega automática, tem de ter pelo menos um ponto de água e uma mangueira que assegure a rega sempre que necessário.

 

7# Verifique se tem todas as ferramentas de que vai precisar

Para tratar de uma horta, mesmo que pequena, tem de ter algumas ferramentas básicas, como as que apresentamos abaixo:

– Enxada grande e/ou pequena (para cavar)

– Ancinho (para pentear e aconchegar após a sementeira)

– Sachola (para mondar)

– Pá larga (para transplantar)

– Pá de plantar (para plantar)

– Tesoura de poda (para podar)

– Faca de colheita (para colher)

– Regador de jato fino ou chuveiro (para regar)

– Cesto para colheita

– Balde

– Carrinho de mão (indispensável para transportar os materiais, plantas e substratos se a horta for grande)

– Adubo orgânico

– Substrato

 

8# Escolha o que plantar e avance!

Está na hora de deitar mãos à obra! Escolha as plantas e culturas que prefere para começar e lance-se na aventura. Atenção: se for semear, por exemplo, favas ou ervilhas, não semeie todas no mesmo dia, senão vai ter a colheita toda concentrada na mesma altura. Divida as favas e ervilhas em três ou quatro partes e dê pelo menos duas semanas de intervalo entre as que semeia ou planta. Pode seguir esta estratégia com as restantes hortícolas que cultivar, desde alfaces a rúcula, espinafres e abóboras, entre outras.

 

9# Leia e pesquise o mais que puder

Ninguém nasce agricultor: aprende a sê-lo. Porém, e mesmo que não conheça outras pessoas que também tenham hortas, maiores ou mais pequenas, para lhe poderem ensinar os fundamentos básicos, há felizmente cada vez mais livros e sites sobre esta temática. Explore-os, informe-se e descubra as melhores dicas, os maiores erros e como evitá-los ou contorná-los, e as épocas certas de plantio das várias culturas, para assegurar que tem o maior êxito nas mesmas. O conhecimento não ocupa lugar e os livros sobre plantas, legumes e frutas, além de embelezarem qualquer estante, podem tornar-se os seus maiores aliados.

 

10# Mantenha-se sempre atento a mudanças

Não há nada melhor para assegurar o sucesso da empreitada de plantar algum legume, flor ou hortícola do que prestar atenção. Se só olhar para os seus canteiros de longe a longe, quando se lembra de os ir regar, pode não reparar no surgimento de alguma peste, infeção ou reação indesejada à exposição solar – que por vezes pode ser em excesso ou em defeito – ou a algum componente que lhes tenha misturado no composto ou adubo. É importante que mantenha as suas culturas debaixo de olho e que, ao menor sinal de surgimento de algo inesperado, procure informar-se sobre o que pode ser e a melhor forma de lidar com ele.

Acima de tudo, escolha legumes, hortícolas e flores de que goste, que vá apreciar ter a decorarem e perfumarem o ar da sua varanda, terraço, marquise ou outra divisão, e lembre-se: é preciso dar tempo ao tempo e ter muita paciência. Se as suas plantações não vingarem à primeira, continue a tentar até que o façam. O segredo é nunca desistir.